Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

Esquema - Direito Administrativo

Por:   •  8/11/2018  •  3.991 Palavras (16 Páginas)  •  3 Visualizações

Página 1 de 16

...

- Objeto: Conteúdo, do ato, seu efeito imediato. Lícito, determinado, possível, moral.

- Finalidade: Interesse público (finalidade geral) + finalidade específica. O vício de finalidade e de poder geram a nulidade do ato

- Forma: Como se reveste o ato, seu modo de exteriorização. Normalmente escrito. A formalidade é reduzida, mitigada, moderada. Se a lei não exigir nenhuma forma específica, é possível aceitar outra forma. OB: Podem ter atos administrativos não verbais.

- Simetria: uso do mesmo tipo de ato administrativo para editar e revogar um ato.

- Motivo: Causa, razão de ser do ato

- Motivação: Justificativa do ato. Se dá tanto nos atos vinculados (decorre da lei, sendo breve) quanto nos discricionários (detalhada e convincente). Deve ser prévia ou contemporânea a edição do ato.

- Teoria dos motivos determinantes: a validade dos atos administrativos depende da coincidência/correspondência entre o motivo e o ato. A motivação vincula a administração pública.

OB: A competência e forma afetam o plano de existência. Vícios de motivo, objeto e finalidade afetam o plano de validade.

- Extinção dos Atos administrativos: É a retirada destes do mundo jurídico.

OB: STF entendeu que toda vez que a extinção de um ato adm afetar as esferas dos particulares, estes podem exercer o contraditório e a ampla defesa

- Anulação: pressupõe vício de legalidade (são atos ilegais). Pode ser vinculada (vício insanável ou discricionária (vício sanável). Os efeitos da anulação serão ex tunc (retroagem desde a prática do ato). Serão resguardados os efeitos já produzidos aos 3ºs de boa fé. Anulação => administração pode agir de ofício ou sob provocação, o judiciário apenas por provocação.

- Revogação: Retirada de um ato válido, mas inoportuno para a administração. O efeito da revogação é ex nunc (vale a partir da revogação para o futuro). Cada poder pode revogar atos que eles próprios praticaram. Existem alguns atos que não admitem revogação (atos consumados com efeitos exauridos, atos vinculados, atos que geraram direitos adquiridos, atos que integram procedimentos, atos meramente declaratórios e atos que exauriram a competência de quem os praticou). A administração pode anular os seus atos ilegais e revogar os que, mesmo legais, não são mais convenientes. Poder de autotutela da administração.

- Cassação: Beneficiário do ato administrativo deixa de cumprir as condições necessárias para a manutenção daquele ato

- Convalidação: Discricionária, pode ou não ocorrer, depende de um juízo de oportunidade. Tem efeito ex tunc (retroage desde a prática do ato). Somente poderá ser efetuada por quem praticou o ato. Existem requisitos para se fazer a convalidação: (1) o defeito deve ser sanável (2) o ato não deve acarretar lesão ao interesse público (3) o ato não deve acarretar prejuízo à terceiro (4) deve haver uma decisão discricionário da administração em convalidar o ato ao invés de anulá-lo.

- Conversão: Ato nulo se torna válido em razão de uma modificação do enquadramento legal.

- Caducidade: Findo prazo de vigência.

[pic 1]

- Licitações: procedimento administrativo formal mediante o qual a Administração Pública convoca, mediante condições estabelecidas em ato convocatório próprio (edital ou convite), empresas interessadas na apresentação de propostas para fornecimento de bens ou serviços, selecionando PROPOSTA MAIS VANTAJOSA, que melhor atende ao interesse público, proporcionando iguais oportunidades aos que desejam contratar com o poder público (possibilitando, dentro das condições estabelecidas, o comparecimento do maior número possível de concorrentes).

- Objetivo: Triplo

- Proporcionar o melhor negócio

- Assegurar a possibilidade de participação, de forma igual, aos interessados no contrato (isonomia).

- Promover o desenvolvimento sustentável.

- Contratos: A REGRA É LICITAR na celebração de contratos com 3ºs na administração Pública, porém, há hipóteses de dispensa e inexigibilidade de licitação previstas pela própria lei.

- Ambito de aplicação: Lei Nacional

- Estados e municípios: Os Estados e Municípios legislam sobre normas de caráter especial, em conformidade à Lei 8.666/93.

OB: Se o Município não editar sua própria Lei de Licitações e Contratos, seus órgãos devem seguir nessa matéria os ritos estabelecidos na lei federal, ainda que o Estado tenha editado lei própria.

- Princípios:

- Igualdade/Isonomia: Tratamento igual aos interessados/concorrentes.

- Legalidade: Vinculação às regras legais e principiológicas.

- Impessoalidade: Critérios decisórios impessoais, prévios, sem discricionariedade.

- Publicidade: Divulgação dos atos normativos em todas as fases, ainda que de forma resumida. Permintindo seu acesso aos interessados, é uma condição de eficácia dos direitos dos licitantes e seu controle pela sociedade.

- Moralidade/Probidade: Conduta das partes lícita, moral e ética.

- Economicidade: Relação custo-benefício (veda-se o desperdício e a contratação acima das condições de mercado).

- Vinculação ao instrumento convocatório: Obriga à observação do ato convocatório (edital ou convite).

- Julgamento objetivo: Comissão julgadora do certame deve observar os critérios definidos no ato administrativos para julgamento das propostas.

- Adjudicação ao vencedor: Administração pode revogar ou anular o certame antes de adjudicar o objeto ao vencedor, sem gerar direito ao ressarcimento a este ou a qualquer outro licitante, não sendo esse o caso, é garantida a adjudicação do objeto.

- Eficiência:

- O que licitar (art. 1º): a execução de obras, a prestação de serviços, inclusive de publicidade, o fornecimento de bens

...

Baixar como  txt (28.6 Kb)   pdf (77.2 Kb)   docx (27.7 Kb)  
Continuar por mais 15 páginas »
Disponível apenas no Essays.club