Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

A Ocupação antrópica e problemas de ordenamento

Por:   •  6/12/2018  •  1.840 Palavras (8 Páginas)  •  1 Visualizações

Página 1 de 8

...

– os mochões – ilhas cultiváveis formadas nos rios;

– as lodeiras – locais de acumulação de lodo;

– os areais – locais de acumulação de areia.

- Podem distinguir-se três tipos de leito, o leito aparente, o leito de inundação e o leito menor:

[pic 7]

O estudo de um rio e a análise dos seus leitos efetua-se através da elaboração de cortes transversais em determinadas zonas do seu percurso – os perfis transversais.

[pic 8]

Perfil transversal de um rio

Num percurso de um rio podem considerar-se três zonas: o curso superior, o curso médio e o curso inferior.

A rede hidrográfica é formada por um rio e por todos os cursos de água de uma determinada região que nele debitam as suas águas.

[pic 9]

Rede hidrográfica

A bacia hidrográfica é a área em que as suas águas se dirigem para uma rede hidrográfica, ou seja, onde os cursos de água têm o mesmo sentido de drenagem para uma única saída.

[pic 10]

Bacia hidrográfica

Ações geológicas de um rio:

A bacia hidrográfica, devido ao relevo, à natureza das rochas, ao clima da região, à cobertura vegetal e à ação antrópica, influencia o comportamento dos cursos de água. A atividade geológica de um rio, desde a nascente até à foz, compreende três ações: a erosão, o transporte e a deposição de materiais.

- Erosão:

– Consiste na extração progressiva de materiais do leito e das margens do rio. Os materiais erodidos resultam da meteorização física e química sofrida pelas rochas, que provocam a sua fragmentação e alteração.

– Deve-se à pressão exercida pela água em movimento sobre as saliências do leito e das margens dos rios.

– É mais acentuada em épocas de cheias, porque a velocidade das águas é maior.

– Provoca a modificação dos vales e sulcos onde o rio circula, que, ao longo dos anos, vão ficando mais largos e mais profundos.

- Transporte

– Os detritos rochosos erodidos são levados pela corrente de água para outros locais.

– Os detritos, independentemente do tamanho que possuem, são os fragmentos sólidos transportados e o seu conjunto forma a carga sólida de um curso de água.

– O transporte dos detritos pode ser feito:

– em suspensão e à mesma velocidade que a água, se os materiais são finos;

– por saltação, rolamento e deslizamento, com velocidade inferior à da água, se as partículas forem mais pesadas e mais grosseiras.

[pic 11]

Diferentes tipos de transporte de detritos num rio.

- Sedimentação:

– Consiste na deposição dos materiais ao longo do leito e nas margens dos cursos de água - nos terraços fluviais, nos deltas e nos aluviões.

– Ocorre, geralmente, de acordo com a velocidade da corrente e as características dos sedimentos: as suas dimensões, formas e pesos. Assim, normalmente,

– os materiais mais pesados e maiores depositam-se a montante;

– os materiais mais finos e mais leves depositam-se a jusante, mais próximos da foz, ou são mesmo transportados até ao mar.

[pic 12]

Diferentes tipos de deposição de sedimentos num rio.

– É particularmente importante quando há cheias, porque possibilita a formação de aluviões, que são depósitos de sedimentos formados nas planícies de inundações, tornando a zona muito fértil.

As três ações geológicas – erosão, transporte e sedimentação – ocorrem simultaneamente em cada troço de rio, mesmo que de forma seletiva, pois, dadas as características topográficas do leito do rio, pode predominar uma ou outra ação.

A incidência de uma ou outra ação é cíclica e está geralmente associada à variação de fatores climáticos.

Para se fixar, o Homem desde sempre procurou zonas próximas dos rios, uma vez que proporcionam:

- fácil acesso à água, energia e alimento;

- a existência de solos muito férteis e, como tal, muito ricos para as práticas agrícolas;

- acesso a outros locais, uma vez que os rios podem funcionar como vias de comunicação.

Apesar das boas condições oferecidas, as zonas ribeirinhas são também zonas de risco que podem trazer consigo consequências bem negativas.

Os principais fatores de risco associados às bacias hidrográficas são as cheias, a construção de barragens e a extração de inertes.

Cheias:

- São fenómenos naturais extremos ou temporários provocados por:

– precipitações moderadas e prolongadas;

– precipitações repentinas e de elevada intensidade;

– fusão de grandes massas de gelo;

– rutura de barragens e de diques.

- O excesso de água aumenta o caudal dos cursos e o leito normal extravasa, provocando a inundação das zonas mais próximas.

- A elevação do leito normal e consequente inundação das margens pode acarretar elevados prejuízos materiais e humanos.

- Para prevenir e controlar os prováveis danos

...

Baixar como  txt (12.6 Kb)   pdf (55 Kb)   docx (19.3 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no Essays.club