Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

O FICHAMENTO DO TEXTO “A LITERATURA E A FORMAÇÃO DO HOMEM”.

Por:   •  10/5/2022  •  Trabalho acadêmico  •  1.186 Palavras (5 Páginas)  •  482 Visualizações

Página 1 de 5

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

UNESPAR – PARANAGUÁ

LITERATURA BRASILEIRA I

ALUNO: DOUGLAS NADOLNY        1º LETRAS – PORTUGUÊS/INGLÊS

FICHAMENTO DO TEXTO “A LITERATURA E A FORMAÇÃO DO HOMEM”.

1 – Variações na função humanizadora da literatura.

  • Essa função possui eficiência para confirmar a humanidade do homem.

2 – Conhecimento do conceito de função social e o de estrutura.

  • O de função já não é tão considerado na “moda”. E o de estrutura seria opcional, se fossemos raciocinar referenciando à história.

3 – Incompatibilidade metodológica existente perante o estudo de estrutura e função social.

  • Um pode ser relativamente mais estagnado que o outro, invocando certas noções em cadeia, de características mais dinâmicas.

4 – Vertentes provocadas pela ideia de função.

  • Provoca certas vertentes não só através do valor, mas através também das pessoas, o público que recebe, e o escritor que produz.

5 – Características do enfoque estrutural.

  • Uma das características é associar a obra a um modelo virtual abstrato ao invés de apenas centralizar a obra nela mesma.  

6 – Como é constituído o ponto de vista estrutural.

  • Se constitui em enxergar as obras com referência aos padrões ocultos, que reforcem sua natureza de produto histórico.

7 – Para que são voltados os estudos atuais de literatura.

  • Recebem mais foco na estrutura do que na função.

8 – Dar enfoque a noção de função.

  • É válido, mas não devemos substituir um enfoque por outro. O enfoque estrutural é o encarregado das progressões do estudo literário no decorrer do tempo.

9 – Elementos contextuais e estrutura.

  • Os elementos nos mostram que a inteligência da estrutura se dá em saber como o texto é formado a partir do contexto, até estabelecer uma independência.

10 – Momento analítico no estudo da obra literária.

  • A fim de estabelecer como objeto de conhecimento uma contracenação necessária para a obra.

11 – A força humanizadora da literatura.

  • Ela descreve o homem e age em sua própria formação.

12 – A necessidade de ficção e de fantasia.

  • A literatura é uma das categorias que respondem essa tal necessidade, as configurações mais simples e diretas de satisfação podem ser coisas como a anedota, a adivinha, o trocadilho.

13 – A maneira que a ficção se manifesta.

  • Se manifesta a cada momento, de maneiras breves e simples, ou extravagantes e longas.

14 – A pureza da fantasia.

  • Nem sempre é pura, está sempre atribuída a outras coisas: paisagens, sentimentos, costumes, etc.

15 – A etiologia de contos e lendas.

  • Muitos contos são etiológicos, ou seja, uma maneira irreal de mostrar o motivo de fazer parte da sociedade.

16 – O estudo da formação do espírito científico.

  • O mesmo foi surgindo de progressiva limpeza, a começar pela ganga criativa da fantasia.

17 – A atribuição da fantasia na imaginação.

  • Sua procedência é a realidade sensível do mundo, ao qual está ligada.

18 – As referências ao ponto de vista de Bachelard.

  • Serve como mostra da ligação entre imaginação literária e a realidade do mundo.

19 – Evocar as camadas profundas da nossa realidade.

  • Podem passar por conturbações por causa de obras lidas e que agem de maneira que não conseguimos classificar.

20 – Letras como base de instrução dos países civilizados.  

  • Assim surgiu o vínculo entre o humanismo, homem e sua formação, estudos da língua e literatura.

21 – Função educativa das letras humanizadoras.

  • Sua complexidade é bem maior do que supõe um enfoque didático.

22 – A relação entre a literatura e a vida.

  • A literatura, da mesma maneira que a vida, vai nos instruindo no modo em que vai agindo.

23 – O elemento sexual integrado na literatura.

  • Atua estimulando a imaginação erótica. Por isso é no mínimo ilógico, que cristãos tenham usado a literatura como objeto de estudo.

24 – Contradições no revestimento ideológico de um autor.

  • Os poderes da sociedade acanhados de reduzir a leitura de textos que conforme seus moldes deveriam ser banidos, porém pertencem a uma obra ou ator que apoia esses moldes.

25 – Incoerências perante a ideia convencional de uma literatura.  

  • Ela não estraga nem educa, porém traz consigo o bem e o mal, e humaniza significativamente.

26 – Funções secundárias da literatura.

  • Além das funções de contentar à necessidade de fantasia e ajudar na formação de personalidade, a literatura teria função de conhecimento sobre o mundo e o ser.

27 – A literatura além de ser apenas uma forma de conhecimento.

  • Ela significa uma elaboração das propostas de personalidade e da liberdade de significado que o mundo possui.

28 – Abordagem dos problemas da função da literatura.

...

Baixar como  txt (7.5 Kb)   pdf (58.6 Kb)   docx (11.9 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no Essays.club