Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

O Estudo caso

Por:   •  25/1/2018  •  5.469 Palavras (22 Páginas)  •  241 Visualizações

Página 1 de 22

...

3. PATOLOGIAS

3.1 Osteomielite

3.1.1 Conceito

A Osteomielite é uma infecção do tecido ósseo, caracterizada pela destruição progressiva do osso cortical e cavidade medular, atingindo subsequentemente a camada compacta e esponjosa do tecido. O termo osteomielite não especifica o organismo causador que pode ser bactéria, microbactéria ou fungos nem a origem da doença: piogênica ou granulomatosa. Os ossos longos como o fêmur, tíbia e úmero são acometidos em 92% dos casos e 85% dos pacientes são menores de 16 anos.

A Osteomielite é um processo inflamatório agudo, subagudo ou crônico, produzido por bactérias piogênicas (isto é, produtoras de pus). A bactéria responsável varia de acordo com a idade do paciente e o mecanismo da infecção. Todos os tipos de organismo, incluindo vírus, fungos, parasitas e bactérias, podem produzir osteomielite, mas os mais frequentes são certas bactérias piogênicas (Stafilococcus aureus) e as micobactérias (Pseudomonas e Klebsiella).

Quando o osso se infecta, inflama-se muitas vezes a medula óssea. Como o tecido inflamado faz pressão contra a parede exterior rígida do osso, os vasos sanguíneos da medula podem comprimir-se, reduzindo ou interrompendo o fornecimento de sangue ao osso. Se o afluxo sanguíneo for insuficiente, algumas partes do osso podem morrer. A infecção também pode avançar por fora do osso e formar acumulações de pus (abcessos) nos tecidos moles adjacentes, como o músculo.

A Osteomielite pode ser de origem hematogênica, isto é, causada por bactérias que se originam de um foco infeccioso afastado do osso, chegando ao mesmo através da circulação sangüínea. Este tipo de Osteomielite ocorre mais comumente em crianças. Os locais dos ossos mais afetados são a metáfise (que é uma região altamente vascularizada nos ossos em crescimento) e a epífise dos ossos longos. Pode também ser devido a uma lesão contígua ao osso, durante um trauma direto (como exemplo: trauma produzido por um instrumento pontiagudo, fratura exposta, feridas profundas), cirurgia ou a um foco infeccioso junto ao osso. A Osteomielite pode também ser secundária a uma doença vascular periférica. Toda Osteomielite começa como infecção aguda. Se não tratada, ou se o tratamento não for eficaz, evolui, por definição após seis meses, para Osteomielite crônica.

O diagnóstico precoce é essencial, tendo em vista a possibilidade de cronificação do processo e suas graves seqüelas. Entretanto, há dificuldade diagnóstica na fase inicial em decorrência da gama de diagnósticos diferenciais, da diversidade dos sintomas e da ausência de exames complementares facilmente disponíveis e realmente conclusivos. Se o tratamento antibiótico for efetivo a ponto de eliminar todos os focos de infecção, o abscesso não se formará. No entanto, muitas vezes ocorre resistência das bactérias aos antibióticos e os abscessos se formam e persistem a tratamentos. Na osteomielite crônica, os abscessos bloqueiam o suplemento sanguíneo intraósseo, levando, eventualmente, à morte do tecido ósseo, ou necrose.

Uma infecção de seios da face, gengival ou dental pode disseminar-se até o crânio. A osteomielite que acomete esqueleto facial é uma séria e debilitante doença, não existindo sexo ou idade especifica para que se instale.

3.1.2 Tipos

Existem 3 (três) tipos de osteomielite, sendo:

• Osteomielite Aguda: desenvolvimento de processo inflamatório em média depois de duas semanas de uma infecção inicial, causada por lesão ou presença de doença infecciosa sistêmica;

• Osteomielite Subaguda: o processo inflamatório ósseo ocorre aproximadamente em dois meses após a infecção inicial, também causada por lesão ou doença infecciosa sistêmica;

• Osteomielite Crônica: o processo inflamatório ósseo ocorre aproximadamente depois de dois meses ou mais após uma infecção inicial.

3.1.3 Sinais e sintomas

Os sintomas da osteomielite variam dependendo da causa e se for um início rápido ou lento de infecção. Os sintomas mais comuns da osteomielite. No entanto, cada indivíduo pode experimentar sintomas de forma diferente. Os sintomas podem incluir: febre (a febre pode ser alta quando osteomielite ocorre como resultado de uma infecção no sangue); dor e sensibilidade na área afetada; irritabilidade; mal-estar; inchaço da área afetada; vermelhidão na área afetada; calor na área afetada; dificuldade em se mover juntas perto da área afetada.

Os sintomas da osteomielite podem assemelhar-se outras doenças ou problemas médicos. Sempre consultar o médico para um diagnóstico

3.1.4 Causas

A osteomielite é causada por bactérias, podendo ter como causa também fungos e vírus. Desta maneira a osteomielite pode se originar de uma infecção preexistente que se espalha pelo corpo através do sangue. A inflamação óssea pode ocorrer também após fraturas abertas ou após cirurgias com ou sem presença de implantes ou próteses. Pacientes diabéticos são geralmente suscetíveis ao desenvolvimento da osteomielite, pois o suplemento sanguíneo é reduzido em algumas regiões dos ossos, propiciando um perfeito ambiente para proliferação bacteriana.

3.1.5 Fatores de Risco

Pacientes com condições ou que tomam medicamentos que debilitam o sistema imunológico estão em maior risco de desenvolver osteomielite. Os fatores de risco incluem o câncer, uso de esteróides crônica, anemia das células falciformes, vírus da imunodeficiência humana (HIV), diabetes, hemodiálise, usuários de medicamentos intravenosos, suprimento insuficiente de sangue, lesão recente e os idosos. Pessoas que sofreram a retirada do baço também têm maior risco de osteomielite.

3.1.6 Diagnóstico

Inicialmente o exame físico pode indicar alterações na textura local óssea ou inchaço. A análise irá indicar a presença de fatores de risco. Um exame de sangue para a quantidade de leucócitos pode auxiliar em um diagnóstico inicial. Se então houver suspeita de osteomielite, o diagnóstico por imagem pode ser solicitado. Neste caso, raios X, tomografia computadorizada, ultrassom e ressonância magnética podem ser úteis para o diagnóstico. A remoção de uma pequena área da lesão óssea pode ser importante para a identificação do agente

...

Baixar como  txt (41.2 Kb)   pdf (99 Kb)   docx (33.7 Kb)  
Continuar por mais 21 páginas »
Disponível apenas no Essays.club