Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

Sadek - fichamento Maquiavel: cidadão sem fortuna, intelectual de virtù

Por:   •  14/4/2021  •  Trabalho acadêmico  •  724 Palavras (3 Páginas)  •  142 Visualizações

Página 1 de 3

FICHAMENTO

Texto: SADEK, Maria Teresa. “Maquiavel: cidadão sem fortuna, intelectual de virtù”, em WEFFORT, Francisco (org.). Os Clássicos da Política, vol. 1. São Paulo: Ática, 1995. Pp. 11-24

       A autora Maria Teresa Sadek inicia o texto comentando sobre o termo “maquiavélico” que muitas vezes nos remete algo ruim como traição, tirania, o mal. O que nos leva a questionar quem era este homem capaz de provocar tanto ódio. Por outro lado Maquiavel também é apontado como um defensor da liberdade visto que ofereceu preciosos conselhos para a sua conquista, fato admitido pela própria autora (SADEK, 1995, P.14). Rousseau por exemplo alega que Nicolau ao fingir dar lições aos príncipes concedeu grandes lições ao povo.

     Discorre-se do texto que a infância e adolescência de Maquiavel se deram em um cenário bastante conturbado, viveu numa Itália sujeita a conflitos e invasões então desde pequeno já se deparava com a desordem e a instabilidade. Com a influência de seu pai e todo contexto político da época, se interessou pela política. Aos 29 ocupava um cargo de destaque na vida pública, em 1513 veio a sofrer mudanças drásticas em sua carreira por questões políticas, acaba preso e logo após exilado em sua própria terra. Assim nascem suas famosas obras.

    Maquiavel tinha como principal preocupação em suas obras o Estado, mas fugia sempre do idealismo, do Estado imaginário e discorria sobre os verdadeiros fatos, o Estado real, uma realidade concreta e não como as pessoas gostariam que fosse. Sua principal questão era descobrir como instaurar um estado estável e resolver um inevitável ciclo de estabilidade e caos (SADEK, 1995, p.18). Defendia que a ordem deve ser constituída pelos homens e não de forma natural e eterna.

    A autora também cita a visão de Maquiavel sobre o poder, aquele que todos têm, mas não conhecem (SADEK, 1995, p.18), aquele que para conhecer é necessário conviver com a ideia de incerteza e de que nada é estável.

   O filósofo, ao analisar a historia e com suas experiências como funcionário do Estado, concluiu que existem traços humanos imutáveis, diz que são ingratos e com um temperamento imprevisível (O Príncipe,Maquiavel, cap. XVII). Esses aspectos compõem a natureza humana e se fazem presente em todas as épocas e sociedades, o que acaba sendo uma importante fonte de ensinamentos, pois pode prever outros acontecimentos.

   Sadek também ressalta que a historia se repete, pois não existem meios de “domesticar” a natureza humana, assim a ordem sucede à desordem que clama por uma nova ordem (SADEK, 1995, p.20). Em seguida afirma que o poder político segundo Maquiavel, surge a partir da maldade humana e se torna a única possibilidade de enfrentar o conflito ainda que qualquer forma de educação seja precária e transitória.

...

Baixar como  txt (4.3 Kb)   pdf (71.8 Kb)   docx (8.5 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no Essays.club