Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

Resumo fisiologia humana - trabalho de disciplina

Por:   •  6/12/2017  •  1.756 Palavras (8 Páginas)  •  261 Visualizações

Página 1 de 8

...

[pic 1]

- Parte sacral do sistema nervoso parassimpático

- Neurônios pré-ganglionares estão nos segmentos sacrais em S2, S3 e S4.

- Nervos esplâncnicos pélvicos/eretores são formados pelas fibras pré-ganglionares que saem pelas raízes ventrais dos nervos sacrais correspondentes e ganham o tronco destes nervos dos quais se destacam para formar os nervos citados acima.

- Plexos Viscerais

- Conceito

Define-se como plexo visceral um emaranhado (mistura) de filetes nervosos e gânglios. Quanto mais próximo da víscera o plexo, mais difícil fica de separar por dissecação as fibras do simpático e parassimpático. Os plexos viscerais não são puramente simpáticos ou parassimpáticos, mas contém elementos dos dois sistemas, além de fibras viscerais aferentes.

- Sistematização dos plexos viscerais

- Plexos da cavidade torácica. Inervação do coração

Na cavidade torácica existem três plexos, cardíaco, pulmonar e esofágico, cujas fibras parassimpáticas originam-se do vago e as simpáticas gânglios cervicais e torácicos (tronco simpático). O plexo cardíaco é responsável pela inervação autônoma do coração. O plexo pulmonar é responsável pela inervação do pulmão. O plexo esofágico pela inervação do esôfago.

a) Plexos cardíacos (Composição de três nervos cardíacos cervicais do simpático: Superior, Médio e Inferior) e dois nervos cardíacos cervicais do vago (superior e inferior), além de nervos cardíacos cervicais do vago e do simpático.

b) Plexos pulmonares direito e esquerdo

c) Plexo esofágico

- Plexos da cavidade abdominal

Na cavidade abdominal situa-se o plexo celíaco. O maior dos plexos viscerais. Este plexo inerva os órgãos abdominais.

● Plexo Celíaco (Plexo solar)

Os plexos secundários pares são:

a. Plexos renais

b. Plexos supra-renais

c. Plexos testiculares ( ou úteroováricos)

Os plexos secundários ímpares são:

a. Plexo hepático

b. Plexo esplênico

c. Plexo gástrico

d. Plexo Pancreático

e. Plexo mesentérico superior

f. Plexo mesentérico inferior

g. aórtico-abdominal

- Plexos da cavidade pélvica

As vísceras pélvicas são inervadas pelo plexo hipogástrico, no qual se distinguem em uma porção superior, o plexo hipogástrico superior, e uma porção inferior, o plexo hipogástrico inferior ou plexo pélvico.

3.1 - Plexos hipogástricos superiores

3.2 - Plexos hipogástricos inferiores (pélvicos)

a. Plexo retal médio

b. Plexo prostático

c. Plexo deferencial ( ou útero-vaginal)

d. Plexo vesical

e. Nervos cavernosos do pênis (ou Clítoris)

- Inervação da bexiga

As fibras viscerais aferentes da bexiga ganham a medula através do sistema simpático ou do parassimpático. No primeiro caso sobem pelos nervos hipogástricos e plexo hipogástrico superior, conduzindo impulsos nervosos que atingem os segmentos torácica-lombares baixos da medula [Tio - L2]. Já as fibras que acompanham o parassimpático seguem pelos nervos esplâncnicos pélvicos terminando na medula sacral através das raízes dorsais dos nervos S2. S3 e S4. Ao chegarem na medula, as fibras aferentes viscerais provenientes da bexiga ligam-se a vias ascendentes que terminam no cérebro conduzindo impulsos que se manifestam sob a forma de plenitude vesical. As fibras que chegam à região sacral integram a parte aferente do arco reflexo da micção. cuja parte aferente está a cargo da inervação parassimpática da bexiga. Esta iniciasse nos neurônios pré-ganglionares situados na medula sacral (S2, S3. S4] os quais originam as fibras pré-ganglionares que seguem pelas raízes ventrais e nervos sacrais S2. S3, 84. de onde se destacam os nervos esplâncnicos pélvicos. Através destes nervos as libras pré-ganglionares dirigem-se aos gânglios parassimpáticos situados no plexo pélvico, na parede da bexiga. Dai saem às fibras pós-ganglionares, muito curtas, que inervam a musculatura lisa da parede da bexiga (músculo detrusor) e o m. esfincter da bexiga. Os impulsos parassimpáticos que seguem por esta via causam relaxamento do esfíncter da bexiga e a contração do músculo detrusor, fenômeno que permite o esvaziamento da bexiga. Segundo a maioria dos autores. O sistema simpático tem pouca ou nenhuma importância na micção. O estímulo para o reflexo da micção é representado pela distensão da parede vesical. Convém acentuar, entretanto, que a micção, como ato puramente reflexo, existe normalmente apenas na criança até o fim do primeiro ano de vida. Daí em diante aparece a capacidade de impedir a contração do detrusor, apesar da bexiga estar cheia e a micção torna-se até certo ponto um ato controlado pela vontade. As funções vesicais são gravemente alteradas em certas lesões do sistema nervos, especialmente da medula.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DANGELO, J.C.; FATTINI, C.A. Anatomia humana sistêmica e segmentar. Ed. Atheneu, 2ª Edição, São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto e Belo Horizonte. 2005.

PORTAL ANTIGO, http://portalantigo.cefid.udesc.br/laboratorios/anatomia/neuroanatomia/13_Sistema_visceral.pdf, acesso em 17 de Junho de 2013 às 23:30hrs.

TORTORA, G.J. Princípios de Anatomia Humana. Ed. Guanabara Koogan, 10ª Edição, Rio de Janeiro. 2007.

ANEXOS

Tabela

...

Baixar como  txt (12.7 Kb)   pdf (93.2 Kb)   docx (17.5 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no Essays.club