Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

TEORIA E PRÁTICA NO SERVIÇO SOCIAL: UMA REFLEXÃO SOBRE OS DESAFIOS E PERPECTIVAS CONTEMPORÂNEAS

Por:   •  27/9/2017  •  2.491 Palavras (10 Páginas)  •  375 Visualizações

Página 1 de 10

...

O positivismo é um modo de pensar típico da sociabilidade capitalista e rejeita o conhecimento metafísico, devendo limitar-se ao conhecimento positivo, aos dados imediatos da experiência. Defende a ideia de que tanto os fenômenos da natureza como os da sociedade são regidos por leis invariáveis. Dessa forma naturaliza as sequelas da “questão social” e a posição que o indivíduo é inserido na sociedade.

O positivismo ocupa na filosofia um papel específico na medida em que aparece com a pretensão de perfeita neutralidade em todas as questões relativas à concepção de mundo, deixando em suspenso todo fato ontológico, e produzindo uma filosofia que remova por completo do âmbito o complexo problemático referente a aquilo que é em si, tomado como pseudoproblema, irrespondível por princípio. Assim, no positivismo a questão da verdade objetiva era deixada de lado como desinteressante, o que seria importantes são somente os resultados da prática imediata, daí se configura a grande influência no Serviço Social, o procedimento pragmático e manipulatório do cotidiano que dirige a relação teoria versus prática nos moldes adequados com a sociabilidade capitalista.

A teoria social positivista não permite que a/o profissional veja para além do que esta aparente na sociedade. Conforme Gilmaisa, “o problema do conhecimento fica reduzido ao âmbito dos objetos singulares porque, para um lado, a tradição cientifica positivista na qual se apoia define que o conhecimento possível é o conhecimento dos objetos singulares e imediatos...”.

O positivismo trata a realidade de forma fragmentada, fora da totalidade e esse influxo ocorre na prática do Assistente Social. Faz-se necessário a observação desses fenômenos como resultado de um sistema predatório e explorador, aproveitando-se da pobreza gerada através de seu modo de exploração da força de trabalho das (os) trabalhadores.

A profissão exige uma interpretação crítica da realidade social analisando a complexidade em sua totalidade, sendo uma/uma profissional capaz de entender as demandas e as analisando de maneira crítica trazendo novas formas de intervenções e atribuindo novos significados. Para Netto (1994),

A lógica do desenvolvimento capitalista implica uma atitude manipuladora em face da natureza, que reclama precisamente o conjunto de procedimentos próprios a intelecção- a ação (social) exigida por aquela lógica demanda a qualificação, a calculabilidade, a formalização.

Acreditamos que essa teoria venha cada vez mais orientar a prática de Assistentes Sociais, no viés de adequar as/aos indivíduos na realidade histórica imposta para atender as demandas do sistema dominante.

A PERSPECTIVA CRÍTICO-DIALÉTICA E O SERVIÇO SOCIAL

A aproximação à perspectiva crítico-dialético, ou marxiana redimensiona a interpretação da profissão para um novo sentido. Agora o Serviço Social é compreendido como um componente da totalidade social capitalista, cuja teorização extrapola a profissão e seus instrumentos imediatos. O Serviço Social de fato não possui uma teoria própria, particular e autônoma, mas se utiliza como referência o arcabouço teórico-metodológico das ciências sociais para produzir conhecimento e para pensar objetos da prática profissional.

Nessa perspectiva, teoria social, qualquer que seja ela, é o resultado de um longo processo de desenvolvimento humano-social. Por tanto, é o capitalismo e sua divisão do trabalho que põem a necessidade do Serviço Social. A função dos assistentes sociais junto a políticas sociais e suas condições de assalariamento, que inclusive não são postas por eles, são decisivas para que suas ações tenham um caráter prático-funcional. Como também isso não muda só por que um novo referencial teórico foi introduzido na profissão.

Nesse sentido, com o referencial crítico-dialético ele permite levantar novos problemas, inclusive pensar na construção de uma nova sociabilidade para os homens, desenvolver posturas críticas dos profissionais sobre as necessidades dos sujeitos e as respostas sociais, como também aprofundar o problema das políticas sociais, de sua função, de suas raízes materiais e humano-sociais, repensa seus princípios éticos.

A perspectiva crítico-dialético traz para o interior do Serviço Social o incentivo a investigação de uma multiplicidade de objetos sociais sob um ponto de vista diferente daquele originário, possibilita um imenso número de questões que ampliam o universo do conhecimento do Serviço Social sobre sua ação e sobre sua via em sociedade.

Contudo, a respeito da reflexão crítica sobre os aportes tradicionais da profissão, a relação teoria e prática ainda continuam como um problema não esclarecido verdadeiramente, a teoria ainda permanece distanciada de suas atividades cotidianas, como uma dicotomia entre teoria e prática.

A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA: DESAFIOS PARA A/O PROFISSIONAL

Teoria e prática são momentos de um único complexo do ser, o ser social, por isso só podem ser compreendidos de modo adequado tendo como ponto de partida uma relação recíproca. E no ato de apropriar-se da objetividade existente que a consciência apreende as conexões necessárias ao processo de conhecimento.

Falar da prática profissional requer relacioná-la a categoria mediação, que consiste numa categoria da teoria crítica marxista, através do método dialético de análise da realidade. A ação transformadora do assistente social passa por esse tripé, a singularidade, particularidade e universalidade. Para Pontes (2000, p.38) descreve a mediação como “[...] uma das categorias centrais da dialética, inscrita no contexto da ontologia do ser social marxista, e que possui uma dupla dimensão: ontológica (que pertence ao real) e reflexiva (que é elaborada pela razão)”. Assim, mediação consiste num caminho de apreensão do real através de sucessivas aproximações, e mais do que um processo reflexivo ela consiste também num processo prático-concreto.

É através da mediação, de sucessivas aproximações com o real, que o assistente social irá desvelar as aparências. Conforme afirma Pontes (2000, p.39), “a forma de conhecer o modo de ser dos fenômenos sociais que compõe o real processa-se mediante aproximações sucessivas ao movimento do objeto (real). [...]”. Por tanto a mediação contribui na intervenção profissional do assistente social uma vez que possibilita a compreensão dos fenômenos não como fatos isolados, mas como parte de um complexo social que sofre influências sociais, econômicas,

...

Baixar como  txt (17.7 Kb)   pdf (112 Kb)   docx (16.9 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no Essays.club