Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

Laudo de avaliação rural

Por:   •  16/10/2017  •  4.022 Palavras (17 Páginas)  •  64 Visualizações

Página 1 de 17

...

LONGITUDE: 50° 22´ 15,04 “ O

Nova Castilho – Estado de São Paulo.

2.3.3. MEMORIAL DA DESCRIÇÃO TABULAR -resumido:

a) - MATRÍCULA N° 1.374

"situado as margens esquerda do córrego lageado sem benfeitorias com área de 7,26,00 ha e está anexado a uma área maior de 62,31,50 ha”.

2.3.4. ÁREA:

Área de 7,26,00 hectares, ou seja, 3 (três) alqueires paulista.

2.3.5. ROTEIRO DE ACESSO:

Da cidade de General Salgado, sentido Nova Castilho-SP, pela rodovia vicinal pavimentada, 11.500 metros pegar estrada de terra a esquerda + 3.000 metros de terra, a entrada fica a direita.

2.3.6. TÍTULO DE DOMÍNIO:

Matrículas nº 1.374 do CRI de General Salgado (SP).

2.3.7. CARACTERIZAÇÃO QUANTO À NATUREZA:

Pequena propriedade rural – com menos de um módulo fiscal – utilizado para cultivo agropecuário - explorado pelo executado.

2.3.8. USO ATUAL DA ÁREA A SER AVALIADA:

Área ora utilizada para o cultivo de pastagens para criação de gado de leite.

2.4. VISTORIA AO IMÓVEL:

Realizada no dia 01/09/2015 – pelo Engenheiro Agrônomo Marcio Castilho – registrado junto ao CREASP sob nº 068.501.8260.

III. DESCRIÇÃO GERAL DO IMÓVEL

3.1. CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO:

Essencialmente agrícola, caracterizando-se pelo cultivo de lavouras como a da cana-de-açúcar, e tendo a seringueira em expansão, além de haver também o plantio de culturas anuais como a do milho, soja, feijão dentre outros grãos; as atividades da pecuária de leite e corte também são representativas na região. Existência de pequenas propriedades, que ainda exploram a pecuária mista de forma semi-extensiva, arrendando suas áreas a pequenos agricultores para reforma de suas pastagens.

3.2. CARACTERIZAÇÃO DO IMÓVEL AVALIANDO:

3.2.1 - LOCALIZAÇÃO:

Boa com relação às vias de transporte, estando a cerca de 14,5 Km do perímetro urbano da Comarca de General Salgado-SP e encravado às margens da estrada vicinal de terra, transitável todo o ano, sem problemas de acesso, mesmo em períodos de chuva intensa. Possui boa malha rodoviária e melhoramentos públicos tais como: energia elétrica e fácil acesso aos serviços urbanos, além de estrutura fundiária bem organizada, sem litígios pela posse da terra, inclusive com área de preservação permanente florestada.

3.2.2 - RELEVO:

O Relevo apresenta-se plano a suavemente ondulado, com declividade ao redor de 07 % a 12 %, sem impedimentos à mecanização, desde que seguida o direcionamento em nivel, exceção às Áreas de Preservação Permanentes e Reserva de Mata Nativa e alguns pontos de maior declividade fora da média retro descrita.

3.2.3. CONSERVAÇÃO DO SOLO:

Existência de práticas mecânicas conservacionistas, em toda a área explorável do imóvel (excetuando-se as às Áreas de Preservação Permanentes), com terraços em toda a, minimizando assim ocorrência de riscos erosivos, mesmo sendo uma área de maior risco erosivo devido sua declividade.

3.2.4. TIPO DE SOLO:

Latossolo Vermelho – eutrófico ou distrófico, com moderada textura média com pedregulho e pedriscos, com partes mais arenosas. Solos de média fertilidade, classificada como sendo terra de cultura de segunda.

3.2.5. – POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO:

Praticamente toda sua área, com exceção às Áreas de Preservação Permanentes e da reserva de mata nativa, mostra-se passível de utilização agropecuária mecanizada.

3.2.6. QUADRO ATUAL DO USO DO SOLO:

DISCRIMINAÇÃO DAS ÁREAS

ÁREAS

em hectare

(10.000m²)

Área ocupada com capim Brachiária (pastagem)

5,26

Área de Preservação Permanente (APP)

2,00

Área Total da Propriedade

7,26

3.2.7. CLASSIFICAÇÃO DO SOLO POR CLASSES DE CAPACIDADE DE USO:

A classe predominante é a IV.

Vide quadro abaixo.

Grupo A: considera as terras próprias para lavouras, pastagens e/ou reflorestamento abrangendo quatro classes:

Classe I: Terras passíveis de cultivos intensivos e sem problemas especiais de conservação e/ou melhoramentos químicos.

Classe II: Terras com pequenas limitações, com problemas simples de conservação e/ou melhoramentos químicos.

Classe III: Terras com limitações tais que reduzem a escolha dos cultivos e/ou necessitam de práticas complexas de conservação e/ou melhoramentos químicos.

Classe IV: Terras com limitações severas para cultivos intensivos, cultivadas com lavouras anuais ocasionalmente e com cultivos perenes protetoras quanto a conservação do solo.

Portanto, as, culturas anuais são indicadas para as classes I a III, sendo possível na classe IV desde que ocasionalmente como na implantação de culturas perenes, ou na reforma das pastagens, culturas perenes e semiperene (café, fruticultura, cana-de-açúcar) podem englobar até a classe IV.

Grupo B: inclui as terras impróprias para lavouras, mas adaptáveis para pastagens, silvicultura e refúgio da vida silvestre:

Classe V: Terras sem práticas especiais de conservação, mas com outras limitações porque possuem risco de

...

Baixar como  txt (29 Kb)   pdf (165.8 Kb)   docx (31.5 Kb)  
Continuar por mais 16 páginas »
Disponível apenas no Essays.club