Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

CRÉDITO TRIBUTÁRIO, LANÇAMENTO E ESPÉCIES DE LANÇAMENTO

Por:   •  13/3/2018  •  2.411 Palavras (10 Páginas)  •  396 Visualizações

Página 1 de 10

...

- Antecedente:

- Critério material: circulação de mercadoria, presumida com saída de mercadorias do estabelecimento;

- Critério espacial: saída de mercadoria do estabelecimento localizado no Estado de São Paulo;

- Critério temporal: 01/01/2008;

- Consequente:

- Pessoal

- Sujeito ativo: Estado de São Paulo

- Sujeito passivo: Bate o Pé Indústria e Calçados Ltda.

- Quantitativo:

- Base de cálculo: R$ 64.440,48

- Alíquota: 18%

b) Confronte as noções de (i) auto de infração - documento, (ii) ato administrativo de imposição de multa, (iii) ato administrativo de lançamento e (iv) ato de notificação;

A Auto de Infração é procedimento em que se visa o lançamento em decorrência de ilícito, característica que o diferencia do procedimento comum de lançamento, em que a Autoridade Fiscal lança o tributo unicamente por verificar no mundo fenomênico a ocorrência do fato ensejador da incidência da norma tributária, senão vejamos;

(...) por "auto de infração" se entende também um ato administrativo que consubstancia a aplicação de uma providência sancionatória a quem, tendo violado preceito de conduta obrigatória, realizou evento inscrito na lei como ilícito tributário. Trata-se, igualmente, de u'a norma individual e concreta em que o antecedente constitui o fato de uma infração, pelo relato do evento em que certa conduta, exigida pelo sujeito pretensor, nano foi satisfeita segundo as expectativas normativas. Por força da eficácia jurídica, que é propriedade de fatos, o consequente dessa norma, que poderemos nominar de "sancionatória", estabelecerá uma relação jurídica em que o sujeito ativo é a entidade tributante, o sujeito passivo é o autor do ilícito, e a prestação, digamos, o pagamento de uma quantia em dinheiro, a título de penalidade. Aquilo que permite distinguir a norma sancionatória, em presença da regra tributária, é precisamente o exame do suposto. Naquela, sancionatória, temos um fato delituoso, caracterizado pelo descumprimento de um dever estabelecido no consequente da norma tributária. Neste, um fato lícito, em que não encontraremos a violação de qualquer preceito, simplesmente uma alteração no mundo social a que o direito atribui valoração positiva.[3]

O ato administrativo de imposição de multa não é ato de lançamento propriamente dito, conquanto, além de não se tratar de tributo, stricto sensu, decorre de ilícito e, por sua vez, constitui a obrigação - diferentemente do lançamento do tributo, que meramente reconhece a incidência, conferindo-lhe exequibilidade.

Assim, difere-se, em sua essência, o Auto de Infração do Ato de Lançamento, o primeiro vinculado à prática e ilícito e o segundo a mera constatação da ocorrência do fato gerador, que por sua vez também diferem do ato de lançamento da multa, que não é lançamento propriamente dito, conforme conceito acima adotado, porquanto tem condão de constituir a obrigação.

A notificação, por sua vez, é mero procedimento protocolar, necessária à dicotomia do direito, pois, do mesmo modo que o "autolançamento" deve ser informado ao Fisco, o lançamento realizado pela Administração também é dependente do procedimento comunicacional do Direito, como assevera Carvalho:

(...) recuperando a premissa de que o direito se realiza no contexto de um grandioso processo comunicacional, impõe-se a necessidade premente de que o documento de que falamos seja oferecido ao conhecimento da entidade tributante, segundo a forma igualmente previste no sistema positivo. De nada adiantaria ao contribuinte expedir o suporto físico que contém tais enunciados prescritivos, sem que o órgão público, juridicamente credenciado, viesse a saber do expediente. O átimo dessa ciência marca o instante preciso em que a norma individual e concreta, produzida pelo sujeito passivo, ingressa no ordenamento do direito posto.[4]

"

c) Explique as teorias declaratória e constitutiva do crédito tributário. Que instante nasce a obrigação tributária? E o crédito tributário? Que significa "constituição definitiva do crédito"?

A teoria declaratória entende que o lançamento meramente reconhece a incidência da norma tributária, conferindo-lhe exequibilidade - frise-se, norma já haveria incidido, de modo que a obrigação já teria surgido, pendendo, unicamente, de efetividade.

Por outro lado, a teoria constitutiva afirma ser o lançamento ato de constituição do crédito tributário, fazendo incidir a norma individual e concreta ante o fato gerador, dele emanando, quando de sua inserção no sistema, a obrigação tributária.

Considerando que me filio à doutrina que entende o lançamento por declaratório, tenho que a obrigação tributária nasce com a ocorrência do fato gerador, conquanto a norma incide, independentemente de ato humano - este é necessário, unicamente, para a formalização e reconhecimento pelo Direito da incidência, de forma a conferir-lhe exigibilidade.

Nesse sentido, a constituição definitiva do crédito tributário se dará quando o crédito não mais estiver sujeito a expedientes que lhe possam modificar, o que, via de regra, ocorre com o trânsito julgado administrativo e/ou judicial, bem como com a homologação, tácita ou expressa, do lançamento ou prescrição e decadência.

3. Determinada empresa contribuinte de ICMS declara e formaliza o seu débito fiscal, de acordo com a lei, mas por motivos quaisquer não recolhe o montante devido. Diante disso, a Fazenda Estadual do Estado de São Paulo encaminhou o débito para inscrição em dívida ativa, acompanhado de juros de mora e penalidades que entende cabíveis, para posterior execução. Poderia a Fazenda inscrever o débito diretamente sem antes realizar o lançamento de ofício? A resposta é a mesma no que diz respeito aos juros e penalidades? (Vide anexo II).

Considerando posicionamentos adotados acima, bem como, em especial, sua adoção pelo Superior Tribunal de Justiça por meio da edição da Súmula nº 436, 'in casu' verifica-se o lançamento realizado pelo próprio contribuinte, denominado pelo Prof. Paulo de Barros Carvalho de "autolançamento", para meros

...

Baixar como  txt (16.9 Kb)   pdf (61.6 Kb)   docx (19.3 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no Essays.club