Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

Relatório de Execução de uma viga de concreto

Por:   •  6/12/2018  •  1.833 Palavras (8 Páginas)  •  2 Visualizações

Página 1 de 8

...

Figura 1 e 2 : Estribos retirados e amarração.

-

Execução da Fôrma de Madeira

- Madeira Utilizada

Na primeira execução da forma, realizada no primeiro semestre, utilizamos o material de MDF, porém analisamos que devido a alta umidade e deformação deveríamos refazer a forma para a segunda etapa do trabalho. Dessa maneira, para a melhor execução, escolhemos a madeira Pinho, devido sua maior estabilidade a umidade.

[pic 4]

Figura 3: Medidas internas do projeto da primeira forma

Figura 4 e 5: Execução da primeira forma com o material em MDF.

[pic 5][pic 6]

Figura 6: Segunda forma de viga de material PINHO.[pic 7]

- Processo de montagem

O processo de montagem iniciou-se a partir do serramento das tabuas conforme as medidas corretas, considerando a espessura de cada madeira para obter a viga nas dimensões necessárias. Dessa maneiras, as duas faces frontais sobrepuseram as madeiras do corpo, enquanto as faces centrais sobrepuseram a base. Em seguida foi feita a marcação dos pregos a fim de unificar as tabuas com o fechamento das laterais, assim pregando suas faces formando um paralelepípedo. Logo depois, iniciou-se o processo de montagem das mãos francesas, estruturando a forma em sua totalidade.

- Execução da estrutura metálica

- Materiais

Foram utilizados nesta etapa:

- 1 arame galvanizado

- 11 estribos

- bitolas

- 8 espaçadores

-

Montagem

Para a montagem das bitolas foi necessário cortar o excesso de seu tamanho, visto que as medidas que precisávamos eram menores que o meterial encontrado. Para dobrar, criamos uma espécie de alavanca, composta por 2 parafusos paralelos, presos em uma barra de madeira. Para sua dobragem, colocamos as bitolas entre os parafusos e torcemos a barra.

Feito isso, demarcamos os pontos dos estribos de acordo com os espaçamentos. Assim, fixamos as bitolas.

Por fim, localizamos os espaçadores e colocamos a estrutura dentro da forma.

[pic 8][pic 9] [pic 10] [pic 11]

Figura 7: Montagem da estrutura metálica.

- Considerações finais da primeira etapa

4.1 Dilatação

Após duas semanas de confecção, acompanhamos o processo de dilatação da madeira, devido às mudanças climáticas constantes dos últimos dias, portanto, se fazem necessários travamentos sob a forma, para evitar as mudanças de tamanho do vão.

- Concretagem da Viga

- Preparos

O primeiro passo, antes da concretagem da viga, foi passar óleo no interior da fôrma da viga, para que o concreto não ficasse preso a ela.

Figura 8: Preparo da viga para a concretagem.[pic 12]

Para o preparo do concreto, foi colocado um pouco da água na betoneira, deixando-a umedecida. Feito isto, foram colocados nela metade da água e às britas para poder limpar o interior da betoneira, após isso, para atingir a consistência necessária do concreto, inserimos a areia, o cimento, a água e a brita nas devidas proporções. Após o procedimento da adição de cada material, eles foram misturados por 3 minutos.

FCK

Cimento

Areia

Brita

Água/Cimento

Mpa 20

1

2,55

2,11

a/c=0,6

Tabela 1: Proporções

Por trabalharmos com o Fck (fator de resistência a compressão) ser de 20mPa, nós achamos que a quantidade de água era excessiva, portanto optamos por diminuir a quantidade da mesma.

Com o concreto pronto, fizemos o slump test e o corpo de prova.

5.2 Slump Test

Slump test é o ensaio realizado com o concreto no estado plástico para medir a sua consistência. Quanto mais seco o concreto estiver, menor será o slump test e mais difícil será a sua aplicação.

Em uma fôrma em forma de cone cilíndrico de 300mm de altura, 100mm de diâmetro no topo e 200mm de diâmetro na base foram colocadas 3 camadas de concreto, em que em cada uma delas foram desferidos 25 golpes com a haste de socamento.

Com a ajuda de uma colher, foi retirado o excesso de concreto e modelado a superfície do concreto. Lentamente a fôrma foi retirada de modo vertical fazendo com que o concreto se acomode até ficar parado. É então medido sua do topo da fôrma até sua parte superior do concreto, obtendo desta maneira o valor do abatimento.

No nosso slump test, o valor de abatimento de 7,5 mm, o concreto não era tão fluído, com pouca trabalhabilidade.

Figura 9 e 10: Processo de slump test.[pic 13][pic 14]

5.3 Corpo de Prova

Para o corpo de prova, retiramos uma amostra do concreto da betoneira para que mais tarde, quando o concreto estivesse atingido sua cura, serviria para testar a resistência dele. Esse teste é feito através da aplicação de uma carga vertical, ou seja, de compressão, no corpo de prova, até o rompimento dele.

[pic 15]

Figura 11: Teste de corpo de prova.

5.4 Concretando a Viga

Após os testes realizados, slump test e corpo de prova, realizamos

...

Baixar como  txt (11.7 Kb)   pdf (60.5 Kb)   docx (19.4 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no Essays.club