Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

Normas de segurança, Vidrarias e Equipamentos

Por:   •  28/11/2017  •  869 Palavras (4 Páginas)  •  105 Visualizações

Página 1 de 4

...

Imagem 1: Resultado obtido

No experimento o volume da fase clara passou de 40 mL para 47ml e a da gasolina ficou 20 mL. Notamos que 7 mL de álcool foram removidos da gasolina. O que possibilitou fazer o seguinte cálculo:

% álcool= V álcool x 100

V gasolina

V ácool = VF NaCl –VI NaCl

47- 40= 7/30 X 100= 23%

Na mistura de NaCl com o Hidrocarboneto a fase aquosa aumentou. Em uma mistura com água, álcool e gasolina, por conta da polaridade o álcool passa para fase aquosa, porque suas ligações com a água (pontes de hidrogênio) são mais fortes que a da gasolina (dipolo-induzido), por isso, houve um aumento na concentração aquosa

O álcool contido na gasolina dissolve-se na água porque suas moléculas são polares como as da água, ou seja, não ocorre interação dos íons de NaCl com a gasolina. Porque substâncias polares dissolvem-se melhor em solventes polares e substâncias apolares dissolvem-se melhor em solventes apolares.O álcool tem mais afinidade com a água, pois ambos formam ligações de hidrogênio.

6. CONCLUSÃO

As possibilidades do experimento envolvendo a extração de etanol em fase aquosa foram expandidas, e nos permitiu relacionar propriedades físicas e químicas com a identificação e quantificação de substâncias, como por exemplo o conceito de forças intermoleculares que nos permitiu explicar o resultado do experimento. Permitiu um aprimoramento dos conceitos de densidade, solubilidade e teor, que foram abordados a partir da estrutura das moléculas envolvidas.

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FELTRE, R. Química. 5ª ed. São Paulo: Moderna, 2000. v. 3, p. 109-124

LEMBO. Química: realidade e contexto. São Paulo: Ática, 2000. p. 150-151

MORRISON, R.; BOYD, R. Química Orgânica. 13ª ed. Trad. M.A. da Silva. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996. p. 110-115 e 294-304

PERUZZO, F.M. e CANTO, E.L. Quí- mica na abordagem do cotidiano. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 1999. v. 3, p. 60- 64 e 530-536.

PITOMBO, L.R.M. e MARCONDES, M.E.R. (Coords.). Interações e transformações II: Química para o 2º grau. São Paulo: Edusp, 1995. p. 92-96

Forças Intermoleculares Disponível em < http://brasilescola.uol.com.br/quimica/tipos-forcas-intermoleculares.htm> Acesso 08/03/2016

http://

...

Baixar como  txt (5.8 Kb)   pdf (69.9 Kb)   docx (11.4 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no Essays.club