Essays.club - TCC, Modelos de monografias, Trabalhos de universidades, Ensaios, Bibliografias
Pesquisar

A Burguesia Fede

Por:   •  13/3/2018  •  1.607 Palavras (7 Páginas)  •  5 Visualizações

Página 1 de 7

...

Desde sempre a história da indústria e do comércio não é mais do que a história das forças produtivas modernas com as relações de produção atuais, contra as relações que condicionam a existência da burguesia e sua dominação. Basta mencionar as crises comerciais que, com seu retorno periódico ameaçam, cada vez mais, a existência da sociedade burguesa. Cada crise destrói tanto os produtos já criados quanto uma parte grande das forças produtivas gerando uma epidemia: a epidemia da superprodução. A sociedade encontra-se em um estado de barbárie momentâneo: a indústria e o comércio parecem aniquilados. E isso, devido a uma demasiada civilização da sociedade, onde as forças produtivas de que dispõe não servem mais o desenvolvimento, pelo contrário, tornam-se poderosas demais para estas relações, que constituem um obstáculo ao seu desenvolvimento; a cada superação de um obstáculo, uma desordem surge e ameaça a existência da propriedade burguesa e que acaba tornando-a estreita para conter as riquezas criadas em seu seio.

Como a burguesia supera isso? Destruindo forças produtivas com violência conquistando novos mercados e explorando intensamente os antigos. A que conduz isso? A preparar crises mais gerais e mais violentas e a diminuir os meios de preveni-las.

Mas a burguesia não forjou apenas as armas, ela também produziu os homens que as empunharam: Os operários modernos, os proletários.

Quanto maior o desenvolvimento da história moderna, maior a produção em que o trabalho de homens é substituído pelo de mulheres e crianças, fazendo diferenças de sexo e idade perderem toda a significação social, sendo todos reduzidos a meros instrumentos de trabalho.

Todo o escalão inferior das classes médias de outrora, caem nas fileiras do proletariado seja por depreciação de suas habilidades técnicas, seja por seus pequenos capitais não lhe permitirem empregar os processos da indústria.

A luta do proletariado contra a burguesia começa com sua própria existência, uma vez que os interesses e as condições de existência dos proletários igualam-se à medida que a máquina apaga as diferenças e reduz os salários, tornando-se cada vez mais instáveis. O aperfeiçoamento da máquina acaba colocando o operário numa situação precária, fortalecendo colisões entre operário e burguês. Os operários começam a formar coalizões contra os burgueses para defesa de seus salários chegando a formar associações permanentes para assegurar os meios necessários na perspectiva de novas rebeliões. Aqui e além, a luta rebenta sob a forma de sublevações.

Os meios de comunicação criados pela indústria favorecem esta união permitindo aos operários de localidades diferentes se contatarem. Isso faz com que as lutas sociais se tornem uma só, uma única luta de classes. O fato é que toda luta de classes trata-se de uma luta política e o que os burgueses levaram séculos para concretizar, os proletários realizam em poucos anos e aproveitaram as divisões da burguesia para obrigá-la a reconhecer alguns interesses da classe operária (a jornada de dez horas na Inglaterra).

Essas colisões acabam favorecendo o desenvolvimento do proletariado que, através da própria burguesia se envolve nesses movimentos políticos ganhando com isso elementos da educação burguesa, que conseguinte, torna-se uma arma contra ela própria.

O proletariado foi a única classe revolucionária que se opôs à burguesia sem perecer com o desenvolvimento da indústria.

As classes médias, por mais revolucionárias, são conservadoras e racionarias, já que pretendem fazer andar pra trás a roda da história. Elas são revolucionárias unicamente quando visam sua passagem ao proletariado, defendendo então seus interesses futuros e não os atuais, acabando por abandonar seu ponto de vista e adotar o do proletariado.

O trabalho industrial moderno, a sujeição do operário ao capital, despoja o proletariado do caráter nacional.

Todos os movimentos históricos até agora foram realizados por poucos ou em prol de poucos, e o proletariado abrange uma maioria lutando em favor da maioria, o que não elimina o fato de que a burguesia ainda existe e precisa ser eliminada de dentro do proletariado de cada país.

Assim descrevemos a história da guerra civil meio oculta, desenvolvida na atual sociedade, até que essa guerra se torne uma revolução aberta e o proletariado descubra a burguesia e implante sua dominação com violência.

O que mantém a burguesia dominante é o acúmulo de riquezas, a formação e o crescimento do capital, esse só existe com o trabalho assalariado que gera concorrências entre os operários. O progresso da burguesia é um agente involuntário, substitui o isolamento dos operários gerado por essa concorrência, pela sua união mediante a associação, estabelecendo assim um sistema de produção e apropriação.

Sua queda e a vitória do proletariado são de fato, inevitáveis.

As lutas constantes entre as classes sociais existem desde a antiguidade. O trabalho de Marx traz exemplos claros da evolução burguesa através dos séculos, seus estudos mostram a importância dessa classe para a implantação do capitalismo mundial.

A rivalidade constante entre burgueses cria uma crise comercial que traz ainda mais prejuízos à classe proletária, que vive

...

Baixar como  txt (10.7 Kb)   pdf (47.4 Kb)   docx (15.5 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no Essays.club